Heroísmo, astúcia e canalhismo | Ronaldo Correia de Brito | site oficial
1823
post-template-default,single,single-post,postid-1823,single-format-standard,ajax_fade,page_not_loaded,,qode-title-hidden,qode_grid_1300,hide_top_bar_on_mobile_header,qode-content-sidebar-responsive,qode-theme-ver-10.1.2,wpb-js-composer js-comp-ver-4.11.2.1,vc_responsive

Heroísmo, astúcia e canalhismo

Sempre preferi Galileu Galilei a Giordano Bruno.

A atitude de Galileu perante o Tribunal da Inquisição, abjurando as suas descobertas no campo da astronomia e da física, para garantir a vida e a possibilidade de continuar investigando o universo, me parece científica e moderna. Giordano Bruno, ao contrário, perseverou nas afirmações que contrariavam os dogmas da Igreja Católica e foi condenado à fogueira.

(Tome cuidado com a mania de afirmar que a Terra é redonda.)

A coragem de Giordano é invejável. Mas os heróis morrem cedo e deixam apenas o exemplo de heroísmo. Galileu parece um covarde quando, aos setenta anos, na perspectiva de passar o restante dos seus dias na cadeia, faz uma retratação pública e retira o que afirmara: que a Terra girava em torno do Sol e de si mesma, que Júpiter era um centro astral, com satélites orbitando ao seu redor, que as estrelas eram mutáveis. Tudo o que contrariava o pensamento aristotélico, base do poder da Igreja.

Ao negar-se, Galileu renuncia às glórias do seu tempo para ter um pouco mais de vida e continuar os estudos. Esta seria a verdadeira coragem, um compromisso com o eterno? Graças ao gesto a ciência saiu da teoria para a experimentação. Giordano lembra o carvalho da fábula, que não se dobra diante da tempestade e termina partindo-se ao meio. Galileu é o bambuzinho flexível, se curva até o chão. Passada a tempestade, ele se põe de pé, vivo e inteiro.

Se Galileu fosse brasileiro, seu gesto seria aclamado como astúcia. Enganar faz parte de nossa cultura. Dois autores brasileiros criaram personagens frequentemente referidos como modelos da alma nacional. Ariano Suassuna criou João Grilo, no Auto da Compadecida, a partir dos folhetos de cordel e de histórias da tradição oral. Mário de Andrade baseou-se nos mitos indígenas para nos dar Macunaíma. Os críticos insistem nas semelhanças dos dois personagens, mas Ariano faz questão de mostrar as diferenças. João Grilo representa o nordestino pobre, humilhado, com um certo grau de consciência social, usando os recursos da malícia e da inteligência para sobreviver e defender-se dos seus opressores, os patrões e Deus. Em qualquer situação ele usa o “jeito”, modo tipicamente brasileiro de arranjar as coisas.

– E difícil quer dizer sem jeito? Sem jeito! Sem jeito por quê? Vocês são uns pamonhas, qualquer coisinha estão arriando. Não vê que tiveram tudo na terra? Se tivessem tido que aguentar o rojão de João Grilo, passando fome e comendo macambira na seca, garanto que tinham mais coragem.

Apesar das malandragens de que se vale para chegar aos fins desejados, João Grilo faz parte do Brasil real de que falava Machado de Assis. Macunaíma é assumidamente sem caráter, confesso preguiçoso, mesmo pautando-se pela busca de um sentido, que não encontra.

Tudo que fora a existência dele apesar de tantos casos tanta brincadeira tanta ilusão tanto sofrimento tanto heroísmo, afinal não fora sinão um se deixar viver; e pra parar na cidade do Delmiro ou na ilha de Marajó que são desta Terra carecia de ter um sentido. E ele não tinha coragem pra uma organização.

Macunaíma pode se confundir com mais um estereotipo de brasileiro, o de povo sem sentido e sem ordem. João Grilo, se é possível comparar realidade com ficção, está mais para Galileu. Nestes dois, o desejo de permanecer vivo é heroico, porque tem um fim e uma causa. João Grilo, com a intervenção da Compadecida, volta à vida de tanta vontade que estava de enriquecer. Galileu quer continuar vivo para reafirmar mais adiante, tudo o que negara. Já Macunaíma, mesmo se transformando na constelação da Ursa Maior, é o mesmo herói capenga que de tanto penar na terra sem saúde e com muita saúva, se aborreceu de tudo, foi-se embora e banza solitário no campo vasto do céu.

Parecemos com o povo russo na mania de buscar a alma nacional. O caráter de uma nação se constrói a partir de heróis reais e imaginários, literários e mitológicos. E também no exemplo dos seus políticos. Mas nesse espelho temos tido pouca sorte.

Melhor a literatura. Nela, se um herói não presta, viramos a página ou trocamos de livro. Na política é bem mais complicado. Basta ver o que passamos no momento.

No Comments

Post A Comment