Um olhar sobre o teatro que fazemos | Ronaldo Correia de Brito | site oficial
1541
post-template-default,single,single-post,postid-1541,single-format-standard,ajax_fade,page_not_loaded,,qode-title-hidden,qode_grid_1300,hide_top_bar_on_mobile_header,qode-content-sidebar-responsive,qode-theme-ver-10.1.2,wpb-js-composer js-comp-ver-4.11.2.1,vc_responsive

Um olhar sobre o teatro que fazemos

Às vezes me percebo ufanista com o teatro de rua, calçadas, praças, pátios de igreja e terreiros, esse que nos habituamos a chamar de brincadeira ou brinquedo e damos o nome de teatro popular da tradição, quando escrevemos sobre ele. Desprestigiados, desfalcados, oprimidos, os artistas do povo teimam em sobreviver, mesmo que mutilados pelas exigências de prefeituras e donos da cultura, que determinam o tempo que podem se apresentar no carnaval ou numa Festa de Reis.

 

A região Nordeste tornou-se guardiã dessas brincadeiras, erradamente chamadas de “folclore”. Graças a elas surgiram a dramaturgia de Hermilo Borba Filho, Ariano Suassuna, Joaquim Cardozo, Luiz Marinho, e as pesquisas de Câmara Cascudo e Mário de Andrade.

 

Quem nasceu no Brasil e tem o olhar menos preconceituoso e colonizado, não precisa fazer a viagem de Peter Brook pelo Afeganistão e pela África, para chegar à revolucionária encenação do Mahabharata. Também não precisa ir à Índia ou a Bali, como fizeram Ruth Saint Denis e Ted Shawn, para renovarem os cânones da dança.  No Nordeste do Brasil se guardaram muitos códigos centenários do teatro e da dança tradicionais, praticados de forma livre e contemporânea. Sem ler nem estudar Brecht, atores populares praticam algumas de suas técnicas, como o distanciamento. Sem saberem quem foi Grotowski, realizam o teatro pobre. Igualmente ignorantes de Beckett, vivenciam o essencial do absurdo nas suas representações.

 

Precisamos que nos olhem com respeito e considerem que ao escolhermos o modelo apontado pela dramaturgia popular, seguimos o exemplo de mestres como Goldoni, Molière, Shakespeare e outros. Se não preferimos Artaud é porque este nunca foi o caminho do nosso teatro. Mas, por isso, não diminuam o valor da nossa criação, nem a folclorizem.

 

Seremos gratos.

 

Feliz 2021!

No Comments

Post A Comment